Como eu devo me comportar aqui? O que esperam de mim? O que é certo? E o que seria errado? O que vai incentivar minha carreira ou o que pode prejudicá-la?

Temos um milhão e meio de preocupações na cabeça em nossa primeira experiência profissional, não é?

Mas a questão mesmo é: o que realmente importa para nossa primeira experiência profissional ser o começo de uma grande carreira?

Neste artigo eu quero compartilhar com vocês a minha “primeira experiência profissional” e depois a minha primeira experiência profissional.

 

Encarando várias “primeiras experiências” profissionais.

Minha primeira experiência com o trabalho aconteceu na adolescência. Eu tinha meus 16 anos quando, nas férias, fui convidado para “dar uma mão” num petshop, dando banho em cachorros. Que trabalho fantástico!

Foi minha primeira experiência em ter responsabilidades de trabalho, suar, encarar pelos, secadores, cachorros grandes, cachorros bravos, a tensão da possível mordida e até mesmo ver o sorriso de um menino abraçando o cachorrinho limpinho, pego da rua todo cheio de carrapatos – deu um trabalho que você não acredita – agora todo cheirosinho, bem cuidado e amado.

Foi também meu primeiro salário. Coisa boa fazer um trocado nas férias quando se tem 16 anos. Mas isso era um trabalho, não uma experiência profissional. Talvez.

Nesse trabalho eu encarei desafios, aprendi comportamentos corretos e incorretos, entendi como lidar com pessoas que são seus clientes, entendi a importância da disciplina e da dedicação… uma experiência breve, mas que com certeza trouxe uma primeira lição importante.

 

1- Não importa o quão pequeno pareça o seu papel, ele é extremamente importante.

Muita gente pode achar que desempenha um papel pequeno demais, sem importância e por isso se dedica menos, aprende menos, cresce menos.

Não importa o tamanho que pareça aos olhos dos outros ou em comparação a outros cargos e atribuições, a sua função e a forma com a qual você – único com suas visões e habilidades – executa as suas tarefas fazem toda diferença no sistema de trabalho.

Minha primeira experiência em um emprego de fato foi já numa multinacional. Entrei na 3M do Brasil para trabalhar em uma mini-gráfica. Mais uma vez um trabalho simples, mas que abriu as portas para um grande crescimento em minha carreira de marketing que viria logo em seguida.

 

2- Seja o melhor aprendiz do mundo.

Meu trabalho na mini-gráfica era um tanto quanto simples, apesar de acumular algumas responsabilidades em menos de um ano, do desenvolvimento dos cartões de visitas do presidente até o gerenciamento de estoque e fluxo de trabalho.

Aprendi mais ainda com prazos, gerenciamento de trabalhos, gerenciamento de crises… Tudo parecia menos importante do que um cargo gerencial, mas os aprendizados em comportamento e o comprometimento com a qualidade das entregas me levaram a uma nova oportunidade: trabalhar dentro do marketing da empresa.

Não fosse talvez a minha vontade de aprender e me colocar à disposição sempre que possível para os novos projetos que surgiam, talvez eu não tivesse angariado tantos bons relacionamentos e tanto conhecimento que ajudaram a desenvolver minha carreira dentro da empresa.

 

3- Demonstre interesse, visão de mundo e habilidades.

Apesar do meu conhecimento técnico, uma das coisas que mais me ajudava era compartilhar a minha visão em cada oportunidade que eu possuía. Isso ajuda seus colegas a ampliarem a visão, conhecer seu ponto de vista e suas habilidades.

É muito importante lembrar também que “contribuir com sua visão” é diferente de “impor a sua visão”.

Aproveite todas as oportunidades que tiver para que suas habilidades sejam postas em prática, sempre dentro de um contexto e com a mente aberta para sugestões.

 

4- Abra os ouvidos e pense em equipe.

Sempre que compartilhar um projeto é importante que pense como um time: se a maré sobe, sobe para todos. Colabore sempre respeitando a cultura empresarial e os objetivos do time e do projeto em que você está.

O desenvolvimento de um projeto de sucesso vai elevar o nível de aprendizado e o reconhecimento para todo o time. Uma das coisas que as empresas mais observam e desejam hoje são profissionais que tenham esse senso colaborativo de desenvolvimento.

Um dos projetos que participei obteve até reconhecimento internacional pela empresa e, mesmo meu papel sendo apenas uma porcentagem pequena do projeto, o reconhecimento veio não só pelo prêmio, mas também com novos resultados e reconhecimento do trabalho executado em si, a contribuição dentro do todo.

É importante que nesse processo você também não morra com as dúvidas: sempre, sempre, sempre que tiver uma dúvida, pondere e pergunte. Não tenha medo e nem preguiça de pedir ajuda e perguntar.

 

Conclusão

Várias podem ser as nossas “primeiras experiências profissionais”. Eu compartilhei duas das minhas primeiras experiências aqui com vocês, mas ainda tive uma outra primeira experiência como profissional de Coaching, por exemplo.

A grande e maravilhosa questão é que em todas as suas experiências profissionais você pode – com a atitude e mentalidade correta – construir muito e, mais importante que isso, pode aprender e se desenvolver muito em cada experiência.

A sua carreira se chama você. Desenvolva-se, sempre.

Boas primeiras experiências, sucesso e vamo que vamo!

Caio Blumer

Comentários

Comentários